APLICAÇÃO DE TANINO COMO COAGULANTE NO REUSO DA ÁGUA DE LAVAÇÃO DE AUTOMÓVEIS E A UTILIZAÇÃO DO LODO NA AGRICULTURA

  • Mylena Fernandes Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Everton Skoronski Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Viviane Trevisan Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Maurício Vicente Alves Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Cyntia Ely Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Jair Juarez João Universidade do Sul de Santa Catarina

Resumo


Neste trabalho foi estudada a aplicação de tanino como coagulante no tratamento de efluentes de lavação de automóveis, através de tecnologias de coagulação, floculação, sedimentação, filtração e desinfecção, visando o reuso da água no processo de lavação de automóveis e o uso do lodo gerado na agricultura. Os ensaios realizados em laboratório foram validados em uma estação de tratamento em escala real. Os resultados demonstraram que através do tratamento proposto é possível obter água tratada com características que viabilizam o seu reuso. Com relação ao lodo gerado, no processo de tratamento, a sua aplicação combinada com o substrato comercial apresentou resultados satisfatórios que viabilizam a utilização na agricultura. De forma geral, a metodologia proposta demonstrou que a utilização de tanino como coagulante viabiliza o reuso de água no processo de lavação de automóveis ao mesmo tempo em que apresenta uma oportunidade sustentável de gerenciamento do lodo gerado no tratamento.


 


 

Biografia dos Autores

Mylena Fernandes, Universidade do Estado de Santa Catarina
Possui mestrado em Engenharia Química pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), atuando na área de biotecnologia e engenharia bioquímica, e graduação em engenharia química pela Unversidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Atuou como professora no curso técnico em análises químicas, no Instituto Federal de Santa Catarina, e como professora e coordenadora de curso de engenharia química, no Centro Universitário Unifacvest. Possui experiência em laboratório de análises químicas, físico-químicas e microbiológicas.
Everton Skoronski, Universidade do Estado de Santa Catarina
Possui graduação em Engenharia Química pela Universidade do Sul de Santa Catarina (2003), mestrado em Engenharia Química pela Universidade Federal de Santa Catarina (2005) e doutorado em Engenharia Química pela Universidade Federal de Santa Catarina (2010). Atualmente é Professor Adjunto lotado no Departamento de Engenharia Ambiental e Professor Permanente do Programa de Pós Graduação em Ciências Ambientais, da Universidade do Estado de Santa Catarina. É Coordenador do Laboratório de Tratamento de Águas e Resíduos - LABTRAT. Tem experiência na área de Engenharia Química, com ênfase em Processos de Controle Ambiental e Tratamento de Águas, atuando principalmente nos seguintes temas: Engenharia de Tratamento de Águas, Engenharia Enzimática, Tratamento e Valorização de Resíduos e Controle da Poluição Industrial.
Viviane Trevisan, Universidade do Estado de Santa Catarina
Possui graduação em Engenharia Química pela Universidade de Caxias do Sul (2000), mestrado em Biotecnologia pela Universidade de Caxias do Sul (2003) e doutorado em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental (2010). Tem experiência na área de Engenharia de Materiais; na área de Química, com ênfase em Instrumentação Analítica, e na área de saneamento ambiental com ênfase em tratamento anaeróbio e produção de hidrogênio. Atualmente atua como docente na Universidade do Estado de Santa Catarina na área de tratamento de águas residuárias.
Maurício Vicente Alves, Universidade do Oeste de Santa Catarina
É técnico em agropecuária formado pela Escola Agrotécnica Federal de Concórdia em 1997. Fez graduação em Agronomia (2004) e mestrado em Ciências do Solo pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2007). Concluiu o doutorado em ciências do solo pela Universidade Federal de Lavras 2010. Foi professor horista da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul) onde participou de vários trabalhos de pesquisa e orientações de alunos, coordenação de projetos e ministrou todas as disciplinas de solo e mecanização agrícola por 30 meses. Foi professor horista do Centro Universitário Barriga verde - UNIBAVE onde ministrou as disciplinas de Propriedades químicas e físicas e Levantamento e Classificação de solos. Fez Pós - Doutorado na UTFPR campos Dois Vizinhos, com área de concentração em biologia e física do solo. Atualmente é professor de solos da UNOESC nos cursos de Agronomia, Engenharia Florestal e Zootecnia. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Biologia do Solo e Física do solo. Atuando principalmente nos seguintes temas: macrofauna, fauna do solo, mesofauna, tratamento de resíduos, adubação orgânica, plantio direto, atributos físicos do solo, relação da física do solo com a macrofauna do edáfica, e Oligochaetas.
Cyntia Ely, Universidade do Estado de Santa Catarina
Acadêmica de Engenharia Ambiental pela Universidade do Estado de Santa Catarina. Realiza pesquisa científica na graduação desde 2013, na área de tratamento de efluentes industriais.
Jair Juarez João, Universidade do Sul de Santa Catarina
Possui graduação em Química pela Universidade Federal de Santa Catarina (1992), mestrado em Química pela Universidade Federal de Santa Catarina (1994) e doutorado em Química pela Universidade Federal de Santa Catarina (1998). Atualmente é professor de tempo integral na UNISUL, pesquisador do e coordenador do grupo de pesquisas em catálise enzimática e síntese orgânica (CNPq) na Universidade do Sul de Santa Catarina. Como pesquisador vem estudando métodos para a aplicação de biocatalisadores em síntese orgânica, dando contribuições importantes no processo de avaliação de novos métodos de adsorção de enzimas. Além disso, participa ativamente de serviços nas áreas analíticas, ensaios de águas, efluentes, carvão e cinzas, bem como em convênios e parcerias de cooperação técnica e institucional com órgãos ambientais. O referido professor também é coordenador de diversos projetos fomentados pelas agências financiadoras de projetos. Também foi DIRETOR do Centro Tecnológico UNISUL no período de 10/02/2002 30/06/2009.
Publicado
12/11/2015
Como Citar
FERNANDES, Mylena et al. APLICAÇÃO DE TANINO COMO COAGULANTE NO REUSO DA ÁGUA DE LAVAÇÃO DE AUTOMÓVEIS E A UTILIZAÇÃO DO LODO NA AGRICULTURA. REDE - Revista Eletrônica do PRODEMA, Fortaleza, v. 9, n. 1, nov. 2015. ISSN 1982-5528. Disponível em: <http://www.revistarede.ufc.br/rede/article/view/285>. Acesso em: 13 jun. 2024.

Palavras-chave

gestão de água, resíduos sólidos, sustentabilidade