ANÁLISE DO USO E COBERTURA DA TERRA E DOS SISTEMAS ANTRÓPICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO BACANGA – SÃO LUÍS/MA

  • Marly Silva de Morais UNICAMP
  • Regina Célia de Oliveira UNICAMP
  • José Fernando Rodrigues Bezerra UEMA
  • Samuel de Amaral Macedo

Resumo

A bacia hidrográfica é uma unidade natural de planejamento dos recursos naturais, e agente de integração no manejo baseado na sua vital e estreita relação com outros recursos naturais. As interferências antrópicas culminaram numa série de problemas ambientais, como alterações na vegetação nativa e processos erosivos em larga escala. Diante deste panorama, este trabalho tem como objetivo analisar o uso e cobertura da terra e os sistemas antrópicos no intuito de promover melhor ordenamento territorial a partir da abordagem geossistêmica da metodologia proposta por Rodriguez, Silva e Cavalcanti (2017). Os resultados demonstram uma grande relação entre o uso e cobertura da terra com os sistemas antrópicos entre os anos de 2011 a 2020.

Biografia dos Autores

Regina Célia de Oliveira, UNICAMP

Possui Bacharelado e Licenciatura em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1996), Mestrado em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Universidade de São Paulo (1999), Doutorado em Geociências e Meio Ambiente pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2003) e Pós doutorado em Geoecologia da Paisagem pela Faculdade de Geografia da Universidade de Havana/Cuba (2019). Atualmente é professora livre docente da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Análise Regional, atuando principalmente nos seguintes temas: Geomorfologia e Planejamento, Zoneamento Ambiental e Gestão de Zonas Costeiras.

José Fernando Rodrigues Bezerra, UEMA

Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal do Maranhão (2004), mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia (2006), doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro \ Universidade de Wolverhampton - Inglaterra. Trabalhou como Professor Visitante no Departamento de Geografia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e Pesquisador do Laboratório de Geomorfologia Ambiental e Degradação dos Solos - LAGESOLOS - UFRJ. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Física, Geomorfologia e Estações Experimentais. Atualmente é Professor Adjunto IV do Departamento de Geografia da Universidade Estadual do Maranhão, Professor do Mestrado Acadêmico em Geografia, Natureza e Dinâmica do Espaço - PPGEO/UEMA, Coordenador do Laboratório de Geociências, e Vice-Coordenador do Grupo de Pesquisa em Geomorfologia e Mapeamento - GEOMAP e da Universidade Estadual do Maranhão. 

Samuel de Amaral Macedo

Atualmente sou mestrando no Programa de Pós-graduação em Geografia do Instituto de Geociências (IG) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), bolsista de mestrado CAPES/PROEX, estagiário do Programa de Estágio Docente da UNICAMP (PED) na disciplina de Geomorfologia (Climática e Litorânea), e membro do Núcleo de Estudos Ambientais Litorâneos (NEAL). Sou Bacharel em Geografia pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Durante a graduação, atuei como bolsista de Iniciação Científica pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB), no período de agosto de 2016 a julho de 2019. Também atuei, voluntariamente, em projetos de pesquisa direcionados para o Território de Identidade (TI) Baixo Sul da Bahia e Zona Turística da Costa do Dendê. Em março de 2020, realizei estudos sobre a dispersão da Covid-19 no Baixo Sul da Bahia.

Referências

BRASIL. Ministério do Exército – Diretoria do serviço geográfico. Cartas DSG. Folha São Luís n°13, 21, 22, 23, 29, 30, 31, 38 e 39, 1980.

BRASIL. Lei nº12. 651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nºs 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nºs 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória nº 2.166- 67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 25 maio de 2012.

GUERRA, A.J.T. e CUNHA, S.B. Geomorfologia e meio ambiente. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil:1996, 394p.

MENDONÇA, J. K. S et al. Diagnóstico da erosão urbana no município de São Luís-MA.
VII Simpósio Nacional de Controle de Erosão. Goiânia (GO), 2001.

SATHLER, R et al. Erosive processes in urban areas on the island of Maranhão – Brazil. In:Sociedade & Natureza (Special Issue), p. 161-173, 2005.

FURTADO, M. S et al. Processo de recuperação da voçoroca do Sacavém, São Luís-MA. In: VI Simpósio Nacional de Geomorfologia/Conferência Regional de Geomorfologia. Goiânia, 2006.

GUERRA, A. J. T., MARÇAL, M. S. dos. Geomorfologia Ambiental. 1º ed. Rio de janeiro: Betrand Brasil, 2014. 192p.

BEZERRA, J. F. R. Geomorfologia e Reabilitação de Áreas Degradadas por Erosão com
Técnicas de Bioengenharia de Solos na Bacia do Rio Bacanga, São Luís – MA. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Programa de Pós Graduação em Geografia, Rio de Janeiro, 2011. p, 249.

BEZERRA, J. F. R; GUERRA, A. J. T. Geomorfologia e reabilitação de áreas degradadas por
erosão com técnicas de bioengenharia. In: XII Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada. Natal, 2007.

RODRIGUEZ, J. M. M.; SILVA, E. D.; CAVALCANTI, A. P. B. Geoecologia da paisagem: uma visão geossistêmica da análise ambiental. Fortaleza: EDUFC, 2017.

IBGE. Dados Censitários do Município de São Luís. Disponível em: www.ibge.gov.br.

PEREIRA, E.D. Vulnerabilidade a contaminação do solo e aqüífero do Reservatório
Batatã- São Luís (Ma). 2006, 141f. Tese de Doutorado em Geociências e Meio Ambiente,
IGCE/UNESP, Rio Claro, 2006.

MARANHÃO. Decreto- Lei Estadual nº 7.545, de 07 de março de 1980. Cria o Parque
Estadual do Bacanga.

MARANHÃO. Decreto- Lei Estadual nº 12.103, de 01 de outubro de 1991. Cria a Área de Proteção Ambiental do Maracanã.

MORAIS, M. S. Impactos socioambientais causados por processos erosivos em unidades de conservação: o caso do Parque Estadual do Bacanga, São Luís – MA. 2018. 155 p. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Estadual do Maranhão – São Luís, 2018.
Acesso em: 20/06/2017.
Publicado
27/02/2022
Como Citar
DE MORAIS, Marly Silva et al. ANÁLISE DO USO E COBERTURA DA TERRA E DOS SISTEMAS ANTRÓPICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO BACANGA – SÃO LUÍS/MA. REDE - Revista Eletrônica do PRODEMA, Fortaleza, v. 15, n. 2, p. 137-148, fev. 2022. ISSN 1982-5528. Disponível em: <http://www.revistarede.ufc.br/rede/article/view/687>. Acesso em: 17 abr. 2024.