ANÁLISE GEOSSISTÊMICA DAS MODIFICAÇÕES DA PAISAGEM NA MICROBACIA DO IGARAPÉ TUCURUÍ – BAIXO RIO XINGU

  • Nadson de Pablo Costa Silva Universidade Federal do Pará
  • Éder Mileno Silva De Paula Universidade Federal do Pará

Resumo

A análise geossistêmica tem como objetivo entender os impactos na evolução da paisagem, analisando as mudanças provocadas pela sociedade na natureza, como desmatamentos, modificações nos escoamentos fluviais, desvios de cursos dos rios. A área de estudo, a microbacia hidrográfica do igarapé Tucuruí, está localizada a margem esquerda do rio Xingu, e vem sofrendo modificações devido ao avanço da atividade agropastoril. O objetivo da pesquisa foi analisar o avanço da degradação gerada por grandes pastos que estão sendo criados na área da microbacia. Analisou-se a paisagem de acordo com análise geossistêmica de dados obtidos através de atividades de campo, pesquisas bibliográficas e utilização das técnicas de sensoriamento remoto e geoprocessamento. Os mapeamentos do uso e ocupação da terra permitiram identificar o avanço das áreas de pastagens sobre a floresta ombrófila densa, mesmo o quantitativo de cabeça de gado não aumentando.

Biografia dos Autores

Nadson de Pablo Costa Silva, Universidade Federal do Pará

Formado no curso de Licenciatura Plena em Geografia pela Universidade Federal do Pará - UFPA, atuante no Laboratório de Geografia Física e Cartografia - LAGEO. Tem experiência na área de Geografia física, Geotecnologias e Geoprocessamento. Atuante na área da Cartografia e desenvolvimento de assentamentos, gestão de processos e documentos na plataforma SEI no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - INCRA.

 

Éder Mileno Silva De Paula, Universidade Federal do Pará

Geógrafo (2004), Especialista em Geoprocessamento (2008) e Mestre em Geografia (2008) pela Universidade Estadual do Ceará - UECE , e Doutor em Geografia (2017) pela Universidade Federal do Ceará-UFC. Atualmente é professor da Faculdade de Geografia e Cartografia-FGC e da Pós-Graduação em Geografia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Pará. Professor Colaborador do Laboratorio de Geografia Física da FGC, atua nas áreas de Geografia Física, Hidrogeografia, Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto.

Referências

BOTELHO, R. G. M. Planejamento ambiental em microbacia hidrográfica. Erosão e conservação dos solos: conceitos, temas e aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p. 269-300, 1999.
CENSO, I. B. G. E. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Fornecido em meio eletrônico:[www. ibge. gov. br/home/estatistica/populacao/censo2010/] Acessado em, v. 20, n. 03, p. 2012, 2010.
CHRISTOFOLETTI, A. Modelagem de sistemas ambientais. São Paulo: Edgar Blücher, 1999
DA SILVA, M. L. Paisagem e geossistema: contexto histórico e abordagem teórico-metodológica. Geoambiente On-line, n. 11, p. 01-23 pág., 2008.
DANTAS, G. K. M. Estudo geomorfológico a partir do uso de sistema de informações geógraficas (Landsat 8 e Topodata): um estudo de caso na sub-bacia do Riacho Santana-RN. 2016. Dissertação de Mestrado. Brasil.
DAS NEVES, C. E. et al. A importância dos geossistemas na pesquisa geográfica: uma análise a partir da correlação com o ecossistema. Sociedade & Natureza, v. 26, n. 2, p. 271-285, 2014.
DE PAULA, E. M. S; DE SOUZA, M. J. N. SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS NA ANÁLISE DA VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA BACIA DO RIO CEARÁ-CE. Revista Brasileira de Cartografia, v. 63, n. 4, p. 515-525.
DE PAULA, E. M. S; SILVA, E. V. Estrutura e Fragmentação Geoecológica De Paisagem Fluvial No Baixo Rio Xingu–Amazônia Centro-Oriental. Revista GeoNordeste, n. 1, p. 122-142, 2019.
DE SOUZA, V. GALVANI, E. DE SOUZA, M. L. Determinação e adequação da capacidade de uso da terra em bacia hidrográfica por meio de sistematização metodológica no SIG SPRING. Geografia (Londrina), v. 24, n. 1, p. 55-69, 2015.
IBGE, Vocabulário Básico de Recursos Naturais e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: IBGE, 2ª ed., 2004. 332p.
IBGE. Manual técnico de uso da terra. IBGE, 2006.
LÁU, H. D. Pecuária no estado do Pará: índices, limitações e potencialidades. Embrapa Amazônia Oriental-Documentos (INFOTECA-E), 2006.
MASSA, E. M. ROSS, J. L. S. Aplicação de um modelo de fragilidade ambiental relevo-solo na Serra da Cantareira, bacia do Córrego do Bispo, São Paulo-SP. Revista do Departamento de Geografia, v. 24, p. 57-79, 2012.
MATEO, J. DA SILVA, E. V. VICENS, R. S. O legado de Sochava. GEOgraphia, v. 17, n. 33, p. 225-233, 2015.
NUNES, J. F; ROIG, H. L. Análise e mapeamento do uso e ocupação do solo da bacia do alto do descoberto, DF/GO, por meio de classificação automática baseada em regras e lógica nebulosa. Revista árvore, v. 39, n. 1, p. 25-36, 2015.
REICHERT, J. M; SUZUKI, L. E. A. S.; REINERT, D. J. Compactação do solo em sistemas agropecuários e florestais: identificação, efeitos, limites críticos e mitigação. Tópicos em ciência do solo, v. 5, p. 49-134, 2007.
ROSOLÉM, N; ARCHELA, R. Geossistema, território e paisagem como método de análise geográfica. VI Seminário Latino-Americano de Geografia Física II Seminário Ibero-Americano de Geografia Física, Universidade de Coimbra. Disponível em www. uc. pt/fluc/cegot/VISLAGF/actas/tema1/nathalia, 2010.
ROSS, J. L. S. Análise e síntese na abordagem geográfica da pesquisa para o planejamento ambiental. Revista do Departamento de Geografia, v. 9, p. 65-75, 1995.
TRICART, J. Ecodinâmica. Superintendência de Recursos Naturais e Meio Ambiente, Secretaria de Planejamento da Presidência da República, Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Diretoria Técnica, 1977.
TURETTA, APD. Mudanças de uso da terra em bacias hidrográficas. Embrapa Solos-Documentos (INFOTECA-E), 2011.
UMBUZEIRO, U. M. Altamira e a sua História. 4. ed. Belém: Ponto Press Ltda, 2012. Cap. 2. p. 35-48. Edição Revista e Ampliada
VALLE, I. C; FRANCELINO, M. R; PINHEIRO, Helena Saraiva Koenow. Mapeamento da fragilidade ambiental na Bacia do Rio Aldeia Velha, RJ. Floresta e Ambiente, v. 23, n. 2, p. 295-308, 2016.
Publicado
19/01/2022
Como Citar
SILVA, Nadson de Pablo Costa; DE PAULA, Éder Mileno Silva. ANÁLISE GEOSSISTÊMICA DAS MODIFICAÇÕES DA PAISAGEM NA MICROBACIA DO IGARAPÉ TUCURUÍ – BAIXO RIO XINGU. REDE - Revista Eletrônica do PRODEMA, Fortaleza, v. 15, n. 2, p. 52-61, jan. 2022. ISSN 1982-5528. Disponível em: <http://www.revistarede.ufc.br/rede/article/view/695>. Acesso em: 17 abr. 2024.