DIVERSIDADE FLORÍSTICA DO ENTORNO DAS PISCINAS NATURAIS DA SERRA DE CAMPO MAIOR (PI), NORDESTE DO BRASIL

  • Francisco Ernandes leite sousa universidade estadual do Piauí
  • Karen Veloso Ribeiro UFPI
  • Kelly Polyana Pereira dos Santos UESPI
  • Maria Pessoa da Silva UESPI

Resumo

A serra de Campo Maior/PI (04º 57'15.76”S e 42º11'28.42"W) apresenta uma área mista composta por vegetação de cerrado, caatinga, carrasco e mata semidecídua, com piscinas naturais que abrangem um território de 2,72 km às margens da rodovia PI-215. Objetivou-se realizar levantamento florístico do extrato arbóreo-arbustivo do entorno da serra de Campo Maior/PI, mais especificamente, nas áreas correspondentes às piscinas naturais, a fim de definir quantitativamente as espécies que ocorrem no trecho em análise. A flora foi coletada entre os meses de setembro de 2020 a janeiro de 2021. Durante essa etapa foram feitas observações em caderneta de campo sobre o ambiente e as espécies presentes. Todo o material coletado foi processado e herborizado de acordo com a metodologia usual e após período pandêmico será armazenado no acervo do Herbário Graziela Barroso da Universidade Federal do Piauí. Os dados obtidos foram plotados em planilhas do Excel e analisados por meio de estatística descritiva básica.  Foram coletadas 80 espécies de plantas, com destaque para a família botânica Fabaceae (8), que agrupou o maior número de espécies. A amostra obtida demonstra que a serra de Campo Maior tem potencial para a descoberta de novos indivíduos, visto que, consiste em uma região pouco explorada.

Referências

ALHO, C. J. R. Importância da biodiversidade para saúde humana. Estudos avançados, v. 26, n. 74, p. 151-165, 2012.
BFG. Growing knowledge: an overview of Seed Plant diversity in Brazil 2015. Rodriguésia, v. 66, n. 4, p. 1085-1113, 2015.
BRASIL. Secretaria de Biodiversidade e Florestas (SBF). Portaria nº 9, de 23 de janeiro de 2007: áreas prioritárias para a conservação, uso sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade brasileira: atualização. Brasília: MMA, 2007.
CÂMARA, I. G. Megabiodiversidade. 1.ed. Rio de Janeiro: Sextante, 2001.
COSTA, J. N. M. N. ; DURIGAN, G. . Leucaena leucocephala (lam.)de Wit. (Fabaceae): Invasora ou Ruderal?. Revista Árvore (Impresso) , v. 34, p. 825-833, 2010.
FARIAS, R. R. S; CASTRO, A. A. J. Fitossociologia de trechos da vegetação do Complexo de Campo Maior, Campo Maior, PI, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 18, n. 4, p. 949-963, 2004.
IBAMA. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Caracterização de ecossistemas e biomas. 2020. Disponível em: www.ibama.com.br/ecossistemas/biomas. Acesso em: 15 de dezembro de 2020.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. 2020. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pi/campomaior. Acesso em: 17 de dezembro de 2020.
LEWINSOHN, T. M. (Coord.). Avaliação do estado do conhecimento da biodiversidade brasileira. Brasília: MMA, 2006. 2 v. em CD-ROM.
LIMA, A. S; ARAÚJO, J. L. L. Geoambientes e as atividades agropecuárias consorciados e associados nas áreas dos carnaubais. In: GOMES, J. M. A. (org.). Cadeia produtiva da cera de carnaúba: diagnósticos e cenários. Teresina: EDUFPI, 2006. p. 35-47.
LIMA, H. C. et al. 2015. Fabaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em:http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/FichaPublicaTaxonUC/FichaPublicaTaxonUC.do?id=FB115. Acesso em:22 de junho de 2021.
MESQUITA, M. R.; CASTRO, A. A. J. F. Florística e fitossociologia de uma área de Cerrado marginal (Cerrado baixo), Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí. Publicações Avulsas em Conservação de Ecossistemas. v. 15, p. 1-22, 2007.
MOBOT: Disponível em http://www.ipni.org. Acessado em 11 fevereiro de 2021. (www.mobot.mobot.gov).
SILVA, F. R; CAMACHO, G. V. A Recuperação Da Mata Ciliar Do Rio Apodi-Mossoró Através do Projeto Margem Viva: Estudo De Caso. SUSTENTARE, v. 2, p. 132-140, 2018.
PEIXOTO, A. L.; MAIA, L. C. (Org.). Manual de procedimentos para herbários [recurso eletrônico]. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2013.
PEREIRA, R.; SOUZA, E. B.; FONTENELLE, R. O. S.; VASCONCELOS, M. A.; SANTOS, H. S.; TEIXEIRA, E. H.. Diversidade estrutural e potencial biológico dos metabólitos secundários de espécies do gênero Myroxylon L.f. (Fabaceae): uma revisão da literatura. Hoehnea, v. 46, n. 1, p. 1-11, 2019.
RODRIGUES, V. A. Morfometria e mata ciliar da microbacia hidrográfica. In: RODRIGUES, V. A.; STARZYNSKI, R. (orgs.). Workshop em manejo de bacias hidrográficas. Botucatu: FEPAF: FCA: DRN, 2004.
SOUZA, C. D.; FELFILI, J. M. Uso de plantas medicinais na região de Alto Paraíso de Goiás, GO, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 20, n. 1, p. 135-142, 2006.
SOUZA, L. A. G. Guia da biodiversidade de fabaceae do Alto Rio Negro. Manaus: [s.n.], 2012.
Publicado
16/08/2021
Como Citar
LEITE SOUSA, Francisco Ernandes et al. DIVERSIDADE FLORÍSTICA DO ENTORNO DAS PISCINAS NATURAIS DA SERRA DE CAMPO MAIOR (PI), NORDESTE DO BRASIL. REDE - Revista Eletrônica do PRODEMA, Fortaleza, v. 1, n. 15, p. 95-114, ago. 2021. ISSN 1982-5528. Disponível em: <http://www.revistarede.ufc.br/rede/article/view/697>. Acesso em: 13 jun. 2024.