VULNERABILIDADE À COVID-19 NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA

Resumo

O estudo identificou os principais fatores de vulnerabilidade e os grupos mais vulneráveis à COVID-19 na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), a partir de uma pesquisa on line com 437 moradores. Como métodos de análise dos dados foram utilizadas técnicas de estatística descritiva e inferencial. O conceito de vulnerabilidade foi operacionalizado por meio da construção do Índice de Vulnerabilidade à COVID-19 (IVC-19). Os resultados mais relevantes revelaram que a elevada frequência com que a população sai de casa, a baixa frequência com que utiliza máscara quando higieniza as embalagens dos produtos adquiridos e a falta de acesso a medicamentos e atendimento médico são os principais fatores de vulnerabilidade à doença. Os indivíduos mais vulneráveis foram os jovens até 30 anos, aqueles com níveis de renda e de escolaridade mais baixos, os pardos, negros, amarelos ou indígenas e os não casados. Os gestores de saúde devem considerar cuidadosamente estes grupos da população enquanto elaboram as estratégias para redução do número de casos de COVID-19 na RMF, bem como devem implementar medidas que promovam mudanças nos fatores que tornam a população mais vulnerável à doença.

Biografia dos Autores

Ana Vládia da Costa Brito, Universidade Federal do Ceará

Doutoranda em Desenvoilvimento e Meio Ambiente - Universidade Federal do Ceará

Everton Nogueira Silva

Doutorado em DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE (UFPI/ UFRN/ FUFSE/ UESC-BA) pela Universidade Federal do Ceará. Atualmente é professor no curso técnico de agronegócio do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR/CE);Professor do curso de bacharelado em Medicina Veterinária da Universidade Estadual do Ceará (UECE) .

Daiane Felix Santiago Mesquita

Doutora pelo Programa de Pós-graduação em Economia da Universidade Federal de Uberlândia (PPGE/UFU). 

 

Publicado
05/06/2022
Como Citar
BRITO, Ana Vládia da Costa et al. VULNERABILIDADE À COVID-19 NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA. REDE - Revista Eletrônica do PRODEMA, Fortaleza, v. 15, n. 2, p. 199-219, jun. 2022. ISSN 1982-5528. Disponível em: <http://www.revistarede.ufc.br/rede/article/view/718>. Acesso em: 17 abr. 2024.