IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE RISCOS RELACIONADAS AOS EVENTOS PLUVIOMÉTRICOS EXTREMOS NA ZONA URBANA DE INDEPENDÊNCIA-CE

Resumo

Historicamente, os desastres hidrometeorológicos causam impactos socioambientais negativos no Nordeste do Brasil porque a sociedade não está preparada para esses fenômenos episódicos. No estado do Ceará, especificamente, no município de Independência, as secas e os eventos pluviométricos extremos costumam afetar a economia, o bem-estar e a recuperação ambiental. Contudo, a sociedade negligencia os usos dos espaços instáveis, notadamente as áreas de preservação permanentes ripárias. Diante disso, este trabalho objetiva identificar e delimitar as áreas de riscos, bem como os eventos pluviométricos extremos que afetaram a sede de Independência-CE. Para tanto, fez um levantamento bibliográfico e geocartográfico, coleta e tabulações de dados de estação meteorológica e coleta de relatos orais de independencienses. Ademais, analisou-se imagens de satélites do Google Earth Pro e o Modelo Digital de Elevação do município. Após a análise integrada dos dados e informações, verificou-se que há três áreas de riscos que estão vinculadas às planícies de inundações urbanas; os eventos extremos derivam das ações da ZCIT associada à La Niña; os efeitos dos eventos extremos são atenuados pelos barramentos artificiais; as áreas de riscos estão sendo ocupadas desordenadamente; é imperativo controle das ocupações destas áreas para mitigar possíveis desastres naturais.

Biografia dos Autores

Raul Carneiro Gomes, Universidade Federal do Ceará
Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Geografia. Departamento de Geografia-UFC
Maria Elisa Zanella, Universidade Federal do Ceará

Professora do Departamento de Geografia - UFC

Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela Universidade Federal do Paraná 

Vládia Pinto Vidal de Oliveira, Universidade Federal do Ceará

Professora do Departamento de Geografia - UFC

Doutorado em Engenharia Agronômica no Programa Agricultura e Meio Ambiente em Zonas Áridas da Universidade de Almería-Espanha 

Referências

AB’SABER, A. N. Dossiê Nordeste seco. São Paulo: USP, 1999. 53p
ALVES, F.E. Duas terras: um filho. Fortaleza: Premius, 2014. 220p.
BRASIL. SUDENE/EMBRAPA. Levantamento exploratórios e reconhecimento dos solos do Ceará. Recife: Bol. Téc. Nº 28, Série Pedologia, 1973.
BRITO, D.S. SILVA, J.M.O. Estudo dos impactos pluviométricos e os eventos extremos no município do Crato-Ceará. Revista GeoNorte, v. único, p.964-976, 2012.
BRASIL. Presidência da República. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, 25 de maio de 2012. Disponível em: . Acessado em: 26 de dezembro de 2019.
CEARÁ. Instituto de Planejamento do Ceará- IPLANCE. Atlas do Ceará. Fortaleza:
IPLACE, p. 1997. 56p.
CEARÁ. Instituto de Pesquisas e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE). Perfil Básico Municipal de Independência-CE. Fortaleza: IPECE, 2017
CLIMATE PREDICTION CENTER (CPC). Historical El Niño and La Niña. Disponível em:
.Acessado em: 9 de ago. 2020.
FERREIRA, A.G.; MELLO, N.G. da S. Principais Sistemas Atmosféricos Atuantes sobre a Região Nordeste do Brasil e a Influência dos Oceanos Pacífico e Atlântico no Clima da Região. Revista Brasileira de Climatologia. Rio de Janeiro. v. 1, n. 1, p. 15-28, 2005.
GOMES, R. C.; ZANELLA, M. E.; OLIVEIRA, V. P. V. Análise das Características Climáticas do Município de Tauá-CE/Brasil. Boletim de Geografia, v. 35, p. 83-98, 2017.
FERREIRA, G. Origem do nome do município de Independência. PORRONCA. Disponível em:< https://porronca.com.br/origem-do-nome-do-municipio-de-independencia/>. Acessado em 22 de julho de 2020.
FUNCEME. FUNDAÇÃO CEARENSE DE METEOROLOGIA E RECURSOS HÍDRICOS. Índice de Aridez do Ceará. 2020. Disponível em: . Acessado em: 23
julho de 2020.
GOMES, R.C.; PAIVA, L. G.G.; OLIVEIRA, V.P.V. Elementos Naturais que Fundamentam a Conservação das Serras Semiáridas do Centro-Oeste Cearense. Revista de Geografia (RECIFE), v. 34, p. 118-136, 2017.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros. v. XVI, Rio de Janeiro, IBGE. p. 269-274, 1959.
IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Município de Independência-CE. Disponível em:< https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ce/independencia/panorama>. Acessado em 29 de julho de 2020.
MONTEIRO, C.A.F. Teoria de clima urbano. São Paulo, IGEO- USP, 1976.
MONTEIRO, J. B. ; ZANELLA, M. E. Desnaturalizando o desastre: as diferentes concepções teóricas que envolvem o conceito de desastre natural. Revista da Casa da Geografia de Sobral (RCGS), v. 21, p. 40-54, 2019.
MONTEIRO, J.B.; ZANELLA, M. E. Eventos extremos no estado do Ceará, Brasil: uma análise estatística de episódios pluviométricos no mês de março de 2019. GEOTEXTOS (ONLINE), v. 15, p. 149-173, 2019a.
LIMA, A.P.; Amorim, M.C.C.T. Análise de episódios de alagamentos e inundações urbanas na cidade de São Carlos a partir de notícias de jornal. Revista Brasileira de Climatologia, v. 15, p. 182-204, 2014.
OLIMPIO, J. L. S. ; COSTA, M. C. L. ; ZANELLA, M. E. Desastres naturais associados à dinâmica climática e à formação do território cearense. Ateliê Geográfico (UFG), v. 9, p. 176-202, 2015.
PINÉO, T. R. G. et al. Mapa Geológico do Estado do Ceará. Estado do Ceará. Fortaleza: CPRM, 2020, 1:500.000, 1 mapa 2020.
MOTTA, L. N. Histórias de Independência: minha terra e minha gente. Fortaleza-CE. 57p. 1987.
SOARES, L.P.; FERREIRA, E.M.; CARNEIRO, C.S. Impactos hidrometeóricos na cidade de Sobral-CE: episódio do dia 03 de novembro de 2013. Revista de Geociências do Nordeste, v. 2. P. 375-384, 2016.
SOUZA, M.J.N de; OLIVEIRA, V.P.V. de. Semiárido do Nordeste do Brasil e o fenômeno da seca in: HUPB, J.L y INBAR, M. (Org.). Desastres Naturales em Ámerica Latina. ed. Fondo de Cultura Econômica. México. 2002.
VILLA, Marco Antônio. Vida e morte no sertão: História das secas no Nordeste nos séculos XIX e XX. São Paulo: Ática, 2000. 269 p.
Publicado
31/05/2022
Como Citar
GOMES, Raul Carneiro; ZANELLA, Maria Elisa; OLIVEIRA, Vládia Pinto Vidal de. IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE RISCOS RELACIONADAS AOS EVENTOS PLUVIOMÉTRICOS EXTREMOS NA ZONA URBANA DE INDEPENDÊNCIA-CE. REDE - Revista Eletrônica do PRODEMA, Fortaleza, v. 15, n. 2, p. 178-198, maio 2022. ISSN 1982-5528. Disponível em: <http://www.revistarede.ufc.br/rede/article/view/728>. Acesso em: 13 jun. 2024.